INEA IDENTIFICA ÁREA EQUIVALENTE A OITO MARACANÃS SENDO DESMATADA EM BÚZIOS

Equipe do Inea retirou mourões que cercavam uma área de vegetação de mata atlântica destruída de 80 mil metros quadrados, equivalente ao tamanho de oito Maracanãs. A cerca estava demarcando lotes para venda.

Nesta segunda-feira (24), Fiscais do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) realizaram uma operação para combater o desmatamento em área de vegetação no loteamento conhecido como Vila André, no bairro de Baía Formosa, em Búzios. A área foi identificada através de satélites do Programa Olho Verde, que fiscaliza áreas desmatadas por meio de imagens de satélite de alta resolução.

A equipe do Inea retirou mourões que cercavam uma área de vegetação de mata atlântica destruída de 80 mil metros quadrados, equivalente ao tamanho de oito Maracanãs. A cerca estava demarcando lotes para venda.  Apesar da área não fazer parte da vegetação protegida no Parque Estadual Costa do Sol, muitas espécies de animais viviam no local que não tinha autorização para desmatamento.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Fernando Lagoa, a prefeitura de Búzios realizará intensa fiscalização na área, com o objetivo de parar qualquer atividade ilegal em curso. Fernando destaca que vai buscar a colaboração de outras secretarias municipais para agir no local, e acrescenta que operações de fiscalização serão realizadas em todo o território da cidade, visando a proteção das áreas de mata nativa e de interesse ambiental.

Ninguém foi preso na ação, mas investigações estão sendo feitas para tentar identificar os autores do crime ambiental.

Sobre o Projeto Olho Verde

O Projeto Olho no Verde realiza o monitoramento sistemático de uma área de dez mil quilômetros quadrados de Mata Atlântica, onde estão os principais remanescentes florestais do Estado do Rio de Janeiro, com o objetivo de combater o desmatamento ilegal. Denúncias no interior do Estado podem ser feitas através do 0300- 253-1177.

Para isso, utiliza imagens de satélite de alta resolução podendo ser obtidas semanalmente, o que permite identificar, com precisão, desmatamentos a partir de 300 metros quadrados, ou seja, até mesmo o corte de uma única árvore.

A fiscalização envolve a Coordenação Geral de Fiscalização do Inea, as superintendências regionais, equipes das unidades de conservação estaduais, o Comando de Polícia Ambiental (CPAm), e a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA).

Categoria:Meio Ambiente

Deixe seu Comentário